Hierarquia e funções na Sociedade Anônima: a autonomia condicionada dos administradores

É conhecida a teoria de Ronald Coase sobre a origem da empresa.

No clássico The Nature of the Firm, o economista britânico explica que, em lugar de realizarem as transações de forma descentralizada por meio de contratos individuais, os empresários organizaram uma estrutura complexa que racionaliza a produção e reduz os custos de transação. Assim nasceu a empresa.

Pela lente coseana, pode-se dizer que o direito societário é o regramento desta comunidade de pessoas que se associam com o intuito específico de atingir um determinado fim econômico com a maior eficiência possível.

Movimento (1951) de Waldemar Cordeiro

O imperativo de eficiência determina a organização das companhias em torno de dois princípios: a distribuição de poderes e a divisão hierárquica.

A distribuição de poderes, funções e cargos é pressuposto inafastável para a eficiência de qualquer ente coletivo. A hierarquia, por sua vez, organiza normativamente as funções por relações de subordinação.

Daí que a capacidade de determinar e orientar a ação coletiva com eficiência é consequente ao fato de que alguns indivíduos exercem o poder sobre outros, que têm o dever de cumprir as instruções recebidas. Nas palavras de Coase, “the operation of a market costs something and by forming an organisation and allowing some authority (an ‘entrepreneur’) to direct the resources, certain marketing costs are saved”.

O autor do anteprojeto da Lei das S.A., José Luiz Bulhões Pedreira, vai além:

A prevalência do princípio da estrutura hierarquizada é fundamental para o funcionamento eficiente tanto da companhia quanto da sua empresa, e o interesse geral na eficiência do modelo de companhia como forma de organização da grande empresa requer essa prevalência, pois não há estrutura hierarquizada que funcione com eficiência se o ocupante de um papel subordinado puder descumprir as ordens de quem tem competência para orientar sua ação”.

No direito societário brasileiro, a hierarquia é estabelecida pela extensão dos poderes da assembleia.

O art. 121 determina que “a assembleia-geral, convocada e instalada de acordo com a lei e o estatuto, tem poderes para decidir todos os negócios relativos ao objeto da companhia e tomar as resoluções que julgar convenientes à sua defesa e desenvolvimento.

O art. 122 determina a competência exclusiva da assembleia para deliberar sobre as questões mais importantes da companhia, dentre as quais a reforma do estatuto social, a nomeação de administradores e a deliberação sobre operações (fusão, incorporação, cisão, etc).

O acionista controlador, que prevalece nas assembleias já que titular da maioria do capital votante, usa a extensão dos poderes assembleares para “dirigir as atividades sociais e orientar o funcionamento dos órgãos da companhia”, como lemos no art. 116.

Em suma, o princípio hierárquico afirma-se pela (i) caracterização do acionista controlador como quem dirige e orienta a companhia; e (ii) os poderes decisionais da assembleia que conferem efetividade ao poder do controlador.

Mesmo reconhecendo a hierarquia entre os órgãos sociais, a Lei das S.A. estabelece competências privativas e indelegáveis a cada um deles. Em outras palavras: um órgão não pode substituir outro ainda que se encontre hierarquicamente em plano superior, tal como lemos no art. 139 que ”as atribuições e poderes conferidos por lei aos órgãos de administração não podem ser outorgados a outro órgão, criado por lei ou pelo estatuto”.

A regra da indelegabilidade dos poderes tem origem no Direito Público. O modelo tripartite dos poderes políticos está baseado na independência e equilíbrio entre os poderes, refletido no clássico conceito de freios e contrapesos.

Mas numa sociedade anônima, tal como vimos pela estrutura hierárquica, a distribuição de poderes é necessariamente desigual.

Mesmo que os órgãos de administração tenham competências próprias e autônomas, o poder de controle se projeta sobre os administradores e condiciona a gestão de modo permanente:

(i) A demissibilidade ad nutum dos administradores pela assembleia (art. 122, II)

(ii) As amplas competências da Assembleia em impor políticas e comportamentos aos demais órgãos (art. 122, I e VIII)

(iii) Os poderes de fiscalização da ação dos ocupantes dos órgãos subordinados pelo acionista controlador (art. 122, IV)

(iv) A competência residual da Assembleia desde que não invada a esfera das competências privativas dos demais órgãos sociais (art. 121)

(v) A competência revisional sobre as deliberações do Conselho de Administração que pode ser conferida à Assembleia pelo Estatuto Social (art. 121)

(vi) A vinculação dos administradores aos termos dos acordos de acionistas celebrados pelos acionistas que os elegeram (art. 118, §8º e §9º)

Disso, conclui Tavares Guerreiro que “infiltra-se, dessa forma, o poder de controle pela própria tessitura organizacional da administração, influindo de jacto nos rumos da empresa, como uma potestas efetiva”.

Por isso, quando o art. 154 afirma que “o administrador eleito por grupo ou classe de acionistas tem, para com a companhia, os mesmos deveres que os demais, não podendo, ainda que para defesa do interesse dos que o elegeram, faltar a esses deveres”, não se deve exagerar na interpretação do dispositivo.

A Lei das S.A. não está dizendo que o administrador deve abrir mão da orientação do acionista controlador que o elegeu, mas apenas repisando o óbvio: que o administrador não poder agir contrariamente ao interesse social da companhia, independente de qual seja a posição do acionista controlado.

As atribuições dos administradores são autônomas e indelegáveis. Mas, de fato, têm uma autonomia condicionada, e assim estão limitados pelo interesse social e submetidos ao acionista controlador.

Na conclusão de Alfredo Lamy e Bulhões Pedreira, “não cabe afirmar que o administrador da companhia é ‘autônomo’ no exercício de suas funções, no sentido de que ao exercer as suas atribuições está submetido exclusivamente às normas da lei e não tem o dever de observar a orientação recebida dos ocupantes dos cargos a que está subordinado na estrutura hierárquica da companhia.”

É assim que se deve interpretar os efeitos da estrutura hierárquica sobre a divisão de funções nas companhias, e o que cabe propriamente aos seus administradores.

--

--

Nascido em Recife. Formado em filosofia pela FFLCH-USP. Mora no Rio de Janeiro e estuda direito na PUC-Rio.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Rodrigo de Abreu Pinto

Nascido em Recife. Formado em filosofia pela FFLCH-USP. Mora no Rio de Janeiro e estuda direito na PUC-Rio.